quarta-feira, junho 23, 2010

O verdadeiro problema na questão Israel

Se vocês leitores que ainda insistem em entrar aqui nesse blog são diferentes de mim, então vocês costumam ler jornal, possuem uma noção básica de política mundial e são bem informados sobre assuntos relevantes da contemporaneidade. Muito provavelmente portanto, como qualquer cidadão que se leva à sério, vocês têm uma opinião formada em relação ao conflito no Oriente Médio e aos últimos ataques israelenses a um barco na costa do país. Bem, eu até poderia fingir que me interesso pelo que vocês pensam, mas a quem queremos enganar, né? A verdade é que, mesmo sem ouvir suas colocações sobre tudo isso, estou certo que vocês estão perdendo o ponto. Independente de se posicionarem a favor da OLP ou do sionismo israelense, o verdadeiro assunto a ser discutido não é o Estado de Israel. O verdadeiro problema, meus amigos, o real inimigo a ser combatido, como preferem os mais inflamados, é o GEORGE ISRAEL. E com isso hão de concordar aqueles posicionados em ambos os extremos desse diapasão sócio-político.



Numa boa, quem em sã consciência pode ter algo a favor desse cara? Só de olhar para essa foto meu dia já fica um pouco pior! E não estou exagerando, juro. Lembro que uns meses atrás era obrigado a enfrentar uma longa viagem de ônibus para chegar ao local onde estava trabalhando. A viagem corria sem problemas e posso dizer que até sentia prazer no caminho extenso. Eu ia apreciando a paisagem, ouvindo música tranquilamente... Até passar em frente ao outdoor que anunciava um show de George Israel. Caralho, aquilo me deixava verdadeiramente deprimido! Seu nariz adunco, o sorriso forçadamente simpático e esse topetinho anacrônico ridículo detonavam meu (já raro) bom humor matutino em questão de segundos. E olha que, no anúncio, ele não se fazia acompanhar pelo instrumento de preferência do babaca original: o safoxone.

Por mais que me esforce, não consigo pensar em combinação mais odiosa que músico pop brasileiro dos anos 80 + safoxonista. E George Israel - não se enganem, companheiros - é capaz de ir muito mais além no quesito fecalidade. O cara além de fazer parte da oitava pior coisa já produzida em território nacional ( o Kid Abelha), tem a cara de pau de se orgulhar de ter feito sei lá quantas parcerias com o Cazuza! Sério, não houve recentemente um comunicado da OTAN proibindo esse tipo de declaração? Se não teve, deveria. Não sou crédulo o bastante para levar ao pé da letra  todos os ditos populares, mas "diga-me com quem andas que te direi quem és" é altamente aplicável nesse caso. Paula Toller, Cazuza, Leoni... É o tipo de parceria que não deve ser julgada na seara musical, mas num tribunal de crimes de guerra.


Responsáveis por 17 crimes de Estado

E para os que pensam que as atrocidades cometidas pelo saxofonista ficaram restritas aos longínquos anos 80, sinto dizer-lhes que a ameça representada por George Israel ainda está longe de ser erradicada. O saxo-pela saco continua cometendo suas barbaridades livremente. Em 2006 lançou um DVD com outros criminosos musicais do quilate de Guto Goffi e Rodrigo Santos (da célula terrorista Barão Vermelho) onde assassinavam friamente músicas dos Beatles sob o tenebroso nome de Os Britos, torturando não só os apreciadores do quarteto de Liverpool, como todo cidadão de bem contrário ao mal do trocadilho engraçadinho. Não contente, mantém um projeto com os DJs Memê e Marcelinho da Lua - o que por si só já é suficiente para sofrer graves sanções da ONU - onde diz exercitar seu lado performático!!! Eu juro, nem que eu quisesse seria capaz de inventar acusações dessa gravidade, está tudo documentado nas seguras fontes da wikipédia.

Olha, eu não entendo muito da política externa nacional, mas em tempos de aproximação do Irã, o que custa ao Governo Lula uma eliminaçãozinha rápida do George Israel, né? Aposto que a comunidade internacional não iria se posicionar contra, nem seria isso que deixaria os Estados Unidos mais contrariados. Sei lá, só uma dica.

12 comentários:

Morocha disse...

obrigada, menezudo, pela inspiração! como boa árabe, se tem uma coisa que aprendi muito cedo foi sempre repudiar tudo que contivesse israel no nome*, inclusive o amiguinho da paula toller. agora, nada me dá mais ódio do que a figura de bruno sei-lá-das-quantas, vocalista da grande aidsmongolóide dos anos 80, a banda biquíni cavadão. se um dia acordar ainda mais assaz-mordaz, por favor, discorra sobre bruno, a letra de "janaína acorda todo dia às 4h30" e aquela PORRA DAQUELA TIARA.

*se você é pentelho de plantão, entenda: essa frase é só BRINCADEIRINHA.

Limonada disse...

O mais genial é q vc conseguiu transmutar td meu ódio por ele, a partir de hoje td vez q ver uma foto/vídeo dele vou lembrar do texto e gargalhar sozinho. Brigado

Rafael disse...

George Israel é co-autor de músicas geniais como "Brasil", "Solidão que nada" e "Você vai me enganar sempre", co-fundador do Kid Abelha (uma das bandas de maior sucesso do rock brasil), um artista super alto astral e despretencioso, que só ambiciona passar boas vibes para quem ouve seu som.
Acho muito chato receber de um amigo, um link com um texto infantilóide e de um clichê "pseudo-cult" rancoroso como este, típico de quem não tem talento, nem coragem de meter as caras e mostrar a sua arte.
Mas o pior de tudo realmente, é ter que ler uma frase do canhestro-calibre de "como boa árabe, se tem uma coisa que aprendi desde cedo foi sempre repudiar tudo que contivesse Israel no nome" e pra piorar ainda, ao final lançar um asterístico-remissivo para fingir que não é uma completa ignóbil.
Gente, vamos começar a TRABALHAR mais, PRODUZIR mais e perder menos tempo malhando o que é diferente da gente, bem como a iniciativa alheia.
Abraços de quem perdeu 5 produtivos minutos de labor, respondendo essas atrocidades.

Menezes, o cretino disse...

Eu fico impressionado como uma pessoa entre num site com textos sobre Elma Chips, Rock de Arena, George Israel e se espanta com o conteúdo infantilóide dos mesmos. Eu estou realmente pensando em colocar um .gif de vuvuzela, o desenho do Carequinha e uns emoticons de risada pra nego poder entender quando foi contada uma piada aqui.

Enfim, eu vou me esforçar mais a partir de agora para mostrar minha arte de uma forma despretensiosa e cheia de boas vibes, tal qual o George Israel. Podem me cobrar, galera, estou fazendo disso um compromisso público.

Ah sim, e sem querer ser "pseudo-cult" (aliás, o que seria um clichê pseudo-cult rancoroso? Falar mal de alguém?), mas canhestro calibre não tem hífen.

Morocha disse...

e é ASTERISCO, não asterístico.

Limonada disse...

ahiuahuhah! coloca um tag a partir de agora "I speak fluent sarcasm"..demais os comentários.

xDanix disse...

"boas vibes", "asterístico"...
HAHAHAHAHAHAHAHAHAH

Pedro Carvalho disse...

Vou montar o selo Pedro Carvalho Produções Asterísticas com o objetivo não apenas de TRABALHAR e PRODUZIR, mas também, por quê não, promover boas vibes com artistas como o George Israel.

Menezes, faz um post falando bem do Paulinho Moska para ver se o Rafael fica feliz novamente e recupera os 5 minutos que ele perdeu.

Confronto disse...

Como bom árabe, comedor de hommus e tabule eu assino em baixo!

bernardes99 disse...

Eu acho que o George Israel faria um bem a humanidade virando um homem-bomba. Podia enfiar o sax no cú e explodir!

Jane Carvalho disse...

Depois deste post sou sua fã mais fervorosa... George Israel vai pro inferno!
*Asterístico* foi FODA!!!

R. disse...

caralho,incrivel,eu pensava que so eu tinha esse odio por esse ser humano.obrigada por expressar esse odio puro e solidario.